Vexame total:Atlético é goleado pelo Bahia.


Nem o torcedor mais pessimista poderia esperar um inicio tão ruim do rubro negro,ainda mais depois de sair na frente do placar porém mais um daqueles apagões incríveis transformou a estréia do furacão em Salvador e um fiasco histórico resultado em uma goleada de 6a2 do time baiano sobre o rubro negro.Agora o furacão muda a chave e pensa na partida decisiva no Chile contra o Universidad Católica pela Libertadores.

O JOGO:

O Esquadrão de Aço começou a partida tocando bola, esperando por um espaço para atacar. Aos sete minutos, Régis lançou Allione, que cruzou fechado na área atleticana para Marcão afastar o perigo. Pressão tricolor, aos 10 minutos, com Régis recebendo na área, mas se atrapalhando no momento do arremate, para sorte do Furacão.
Porém, em sua primeira chegada mais efetiva, o Rubro-Negro abriu o placar, com o estreante Guilherme, aos 14 minutos, que recebeu de Sidcley e arrematou rasteiro para balançar a rede. O Bahia tentou responder, aos 18 minutos, com Régis, que pegou sobra de bola e bateu por cima da meta. Aos 21 minutos, foi a vez de Zé Rafael chutar no cantinho e Weverton espalmar para salvar.
O time da casa dominava a partida, mas errava demais no momento da finalização. Até que, aos 33 minutos, Tiago aproveitou cobrança de escanteio de Juninho e, sozinho, subiu para deixar tudo igual no placar. Nem deu tempo para comemorar. Aos 37 minutos, Marcão tentou duas vezes, na segunda, empurrou para o gol.
A resposta foi rápida. Em contra-ataque, aos 39 minutos, Zé Rafael aproveitou vacilo da zaga rubro-negra e tocou por cobertura para empatar. O jogo era movimentado demais e, aos 41 minutos, Régis recebeu de Allione e desta vez acertou o chute para virar. O ritmo baiano era alucinante. Aos 43 minutos, Edgar Junio, velho conhecido do Atlético, deixou o dele, aos 43 minutos. E teve mais. Régis, aos 46 minutos, encobriu Weverton para fazer o quinto.
Depois do intervalo, os times voltaram sem modificações. Aos cinco minutos, Bruno Mota arriscou o chute de fora da área e a bola subiu demais. Autuori não mexeu no time no intervalo, mas chamou Matheus Rosseto antes dos 10 minutos para o lugar de Bruno Mota, jogador que reestreava coma camisa rubro-negra.
O Furacão voltou um pouco melhor, mas não conseguia criar. O Bahia por sua vez, administrava bem a posse de bola. Aos 18 minutos, Eduardo recebeu lançamento, dividiu com Weverton, que levou a melhor no lance e tocou para fora. Aos 22 minutos, Diego Rosa foi acionado e o goleiro atleticano saiu mais uma vez para intervir. O time baiano tocava bola, deixava o tempo passar.
O Tricolor voltou a pressionar e, aos 26 minutos, após cruzamento, mas uma falha na zaga e Edson apareceu para completar para a rede. Na sequência, Marcão recebeu o segundo cartão amarelo e foi mais cedo para o vestiário. Aos 33 minutos, Maikon Leite invadiu a área e foi travado pela zaga. Aos 40 minutos, Maikon Leite tocou por cima de Weverton e Zé Ivaldo salvou no meio do caminho. Seis, mas poderia ter sido mais pelo futebol apresentado pelas equipes.
Ficha Técnica:
BAHIA 6 X 2 ATLÉTICO-PR
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data: 14 de maio de 2017, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP)
Assistentes: Daniel Paulo Ziolli (SP) e Daniel Luis Marques (SP)
Cartão amarelo: Marcão (Atlético-PR)
Cartão vermelho: Marcão (Atlético-PR)
Gols
BAHIA: Tiago, aos 33 minutos, Zé Rafael, aos 39 minutos, Régis, aos 41 minutos e aos 46 minutos e Edgar Junio, aos 43 minutos do primeiro tempo; Edson, aos 26 minutos do segundo tempo
ATLÉTICO-PR: Guilherme, aos 14 minutos e Marcão, aos 37 minutos do primeiro tempo
BAHIA: Jean; Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Matheus Reis; Edson, Juninho, Allione, Zé Rafael (Gustavo) e Regis (Diego Rosa); Edigar Junio (Maikon Leite).
Técnico: Guto Ferreira
ATLÉTICO-PR: Weverton; Jonathan (João Pedro), Zé Ivaldo, Cleberson e Marcão; Eduardo Henrique (Nikão), Bruno Mota (Matheus Rosseto) e Sidcley; Douglas Coutinho, Guilherme e Eduardo da Silva.
Técnico: Paulo Autuori